ptarzh-CNenfrdeitjarues

Mulheres representam 20% da força de trabalho global em segurança cibernética

Avalie este item
(0 votos)
Terça, 03 Dezembro 2019 18:42

Dados da Cybersecurity Ventures apontam crescimento de 9% em comparação ao ano de 2013

 Mulher

 

De acordo com a Cybersecurity Ventures, uma das maiores empresas do mundo de pesquisas sobre economia cibernética, as mulheres vão representar 20% da força de trabalho global em segurança cibernética até o final de 2019. Trata-se de um crescimento de 9% em relação a 2013. Apesar do cenário, o setor ainda projeta uma escassez total de 1,8 milhão de vagas de emprego não preenchidas até 2022. Por isso, é cada vez mais importante que as companhias abram espaço para especialistas como Angela McKay, diretora sênior de Cybersecurity Policy and Strategy da Microsoft, e Alissa Johnson, vice-presidente sênior de Cybersecurity Technology da Mastercard.

O crescimento de mulheres nesse campo ainda majoritariamente masculino também é comprovado por estudo da Forrester. Segundo a empresa norte-americana de pesquisa de mercado, o número de mulheres que ocupam o cargo de Chief Information Security Officer (CISO) nas empresas da Fortune 500, ranking anual com as maiores companhias dos Estados Unidos, chegará a 20% em 2019. Em 2017, o percentual era de apenas 13%.

No Brasil, há cada vez mais grupos que estimulam a participação feminina na área de tecnologia da informação, como o Minas Programm, projeto que nasceu da vontade de ver cada vez mais mulheres programando, e o PyLadies, grupo de mulheres desenvolvedoras amantes da programação em Python. No campo específico da segurança cibernética, a Cybercrime Magazine compilou 50 associações e grupos relevantes de mulheres a serem seguidos, como a WOMCY – LATAM Women in Cybersecurity, que visa aumentar a presença de mulheres na segurança cibernética em todas as organizações latino-americanas.

A TI Safe apoia o crescimento do número de mulheres atuantes na área de segurança cibernética. A Academia TI Safe, que oferece treinamento e certificação específicos para a proteção de infraestruturas críticas, felizmente tem mulheres entre os alunos. Contudo ainda são poucas. Se você tem interesse em ingressar nesse mercado promissor, acesse o nosso site e conheça os nossos treinamentos: www.tisafe.com/index.php/pt-br/solucoes/academia-ti-safe

Lido 210 vezes Última modificação em Terça, 03 Dezembro 2019 19:31

Copyright © 2007-2018 - TI Safe Segurança da Informação - Todos os direitos reservados.