ptarzh-CNenfrdeitjarues

Sua empresa está preparada para a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)?

Avalie este item
(0 votos)
Terça, 27 Agosto 2019 15:04

Segurança digital passa a ser componente principal para coleta e tratamento de dados pessoais de clientes e usuários.

 Materia 1 proteção de dados

Ao acessar o sistema lançado pelo Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) para bloquear ligações indesejadas de telemarketing, os usuários estão deixando seus dados vulneráveis. O site utiliza o protocolo de segurança HTTP para fazer a conexão entre os usuários e o sistema do Procon. Ao adotar esse protocolo, que pode ser facilmente interceptado, aumentam as chances de os usuários terem seus dados vazados. O protocolo HTTP também permite que uma cópia falsa do site possa ser exibida para enganar os usuários. As possibilidades para que as pessoas sejam induzidas ao erro são grandes. A possibilidade de que as pessoas sejam induzidas ao erro é grande. “Se até mesmo o órgão de defesa do consumidor apresenta vulnerabilidade, isso é mais do que indicador de que todas as empresas, principalmente as que lidam diretamente com coleta e armazenamento de dados de clientes, devem reavaliar suas políticas de segurança e de atualização dos sistemas para evitar vazamentos de informações sigilosas de pessoas físicas”, explica Marcelo Branquinho, CEO da TI Safe.

Com a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), as empresas brasileiras de todos os portes terão de investir em segurança de dados e implementar sistemas de conformidade para detectar e impedir violações de dados pessoais, evitando sanções e multas que podem chegar a até 50 milhões de reais por incidente.

Faltando menos de um ano para implementação da lei, segundo um levantamento recente do Serasa, 85% das empresas disseram que ainda não estão preparadas tecnicamente para garantir a segurança dos dados que coletam.

O estudo aponta, ainda, que com a chegada da lei, 72% das companhias com mais de 100 funcionários pretendem contratar uma pessoa de mercado especializada, consultoria ou assessoria com o objetivo de facilitar o cumprimento da legislação. Mesmo com a adaptação, quase 73% das companhias entrevistadas pela Serasa esperam que a LGPD cause algum impacto em suas atuais infraestrutura de tecnologia de informação.

Especialmente para o mercado de prestadoras de serviços de utilidade pública como energia, água, gás e saneamento, a TI Safe criou um conjunto de soluções para a implementação dos requerimentos da LGPD na infraestrutura de TI e Automação. Este conjunto de serviços e soluções tecnológicas é baseado na metodologia ICS.SecurityFramework®. Para saber mais acesse:  LGDP para Utilities

Lido 841 vezes Última modificação em Terça, 27 Agosto 2019 15:41

Copyright © 2007-2018 - TI Safe Segurança da Informação - Todos os direitos reservados.