TI Safe

Class | Suporte | EaD | Hub |

Home Blog Ataques cibernéticos em redes industriais e infraestruturas críticas no Brasil crescem 860%

Blog

Ataques cibernéticos em redes industriais e infraestruturas críticas no Brasil crescem 860%

Empresas adaptaram as suas operações ao trabalho remoto e os criminosos também mudam a atuação

O ICS-SOC da TI Safe consolidou dados de incidentes de segurança em infraestruturas críticas no ano de 2020 (barras verticais no gráfico acima). O levantamento aponta que, entre março e junho de 2020, houve aumento de 460% nas tentativas de ataques hackers realizados em indústrias e empresas de infraestrutura críticas como energia elétrica, saneamento e gás, que são monitoradas pela companhia.

O estudo revela que houve um retorno ao padrão de ataques observado em 2019 de julho a setembro, voltando a disparar de outubro a dezembro, quando foi diagnosticado um aumento de 860%. O gráfico também mostra a quantidade de casos de COVID-19 registrados no Brasil em 2020 (barra em cinza acima) e há uma coincidência entre as ondas de novos casos de Covid-19 no Brasil e as ocorrências. Marcelo Branquinho, CEO da TI Safe, explica que as áreas administrativas das indústrias, assim como de grande parte das corporações em todo mundo, também aderiram ao trabalho remoto. Contudo, não foram tomados os devidos cuidados com a segurança cibernética, colocando em risco as redes de Tecnologia da Informação e Comunicações (TIC) das empresas do setor. “Foi observado um movimento de intensa digitalização de processos e conforme o setor adaptava suas operações, os criminosos faziam o mesmo”, avalia Branquinho.

Segundo o CEO da TI Safe é necessário que os executivos das empresas de utilidade pública enxerguem a segurança cibernética como tema como prioritário, principalmente no cenário atual. “De aproximadamente 600 empresas elétricas que existem no Brasil, de 10% a 15% têm investimento consistente em segurança cibernética industrial. O resto ou está começando ou não fez nada ainda”, afirma Branquinho.

Para saber mais acesse o estudo TI Safe ISC -SOC – Retrospectiva de ameaças de 2020

 

Voltar